Cara feia, eu?

5 de jan de 2010

14:00h IBM, Sara diz:
- Day!! Vamos para a Paulista passar Reveillon?
- Vamos! Quer dizer, se eu conseguir sair às 18 h vamos.

Cheguei aqui as 9 am e já me deparei com uns indivíduos vestido de branco, pensei:
“Vestido de branco para passar a virada trabalhando?” Que engraçado (para não dizer patético)
Entrei e caminhei para minha mesa com a cara inchada, ainda com sono, quando me deparo com uma mesa de 5 metros cheia de taças e e aquelas parafernálias todas de colocar comida e muitos mais muitos indivíduos de branco, praticamente a praia de Copa.
Eu não queria passar mais um Reveillon aqui, não queria!
Meu gerente disse que não queria ver cara feia e “bicos”. Eu disse  : Bico talvez não, mas uma tromba gigante de elefante se eu não for embora as 18, sim!  Eu não disse vai… apenas pensei.
Corri com o trabalho na esperança de ser liberada as 18h, 17:45 reunião com o time e gerente. Um frio correu na espinha.  Ele leu os nomes dos que seriam liberados as 18 de acordo com o “Business need” e o meu nomezinho NÃO estava lá. Eu sentia minha cara queimar de ódio, sabia que estava vermelha, e minha tromba tomou conta do meu rosto.

- Day diz:
- Sara, Paulista não vai rolar, vou ter que ficar trabalhando.
- Ah ok, tô indo nessa então.

20h, nova reunião, eu me arrastei até lá.
Meu gerente começou a ler a lista “negra” e finalmente leu meu nome!!! Whoooo. Vibrei!
Voltei as pressas para minha mesa, joguei o lap com tudo na mala de qualquer jeito e voei para casa.

A festa rolou na casa da minha mãe com a parte mais desprovida da família que não tinha cascalho para viajar. A trupe se entupiu de comer primeiro depois resolveu brincar de PREV, VICE e SEC, hein? Tá, vou explicar:  Todos fazem uma roda, são escolhidos Presidente, Vice presidente e Secretário, o resto são números, 1, 2, 3, 4 etc.
Enquanto batemos com as mãos na perna o PRES. começa  dizendo – PRES, PRES, SEC, SEC aí  o SEC tem que ficar ligado para responder SEC, SEC, 1, 1 e a pessoa número 1 diz 1, 1, vice, vice e por aí vai.  Não entendeu né?  Enfim. uma confusão!
A brincadeira exige atenção e condenação motora , coisa que minha família não tem, principalmente a minha mãe.
Alguém me explica porque as mães são tão lerdinhas? A minha aprendeu a mandar torpedo agora, ela me escreve as vezes, tudo em minúsculo, sem acento e sem espaço, tenho que dar uma de Robert Langdon de Anjos de demônios e decifrar os códigos.

À meia noite, fomos lá na rua ver uns foguetinhos mixurucas que os vizinhos soltaram, mais champagne na cabeça e todos se abraçando, coisa linda de se ver…

Minha mãe me abraçou e disse:
-  Filha, Feliz ano Novo, eu te amo. Você me ensina a usar a internet esse ano?
Pestanejando e engasgada com o Sidrão sem alcool  disse:
- Claro mãe. ◦
Share/Bookmark

1 comentários:

Renan Barreto disse... Responder

Dá uma de Robert Langdon foi MUITO BOA. Pense bem, minha querida. Nada melhor do que passar o ano novo com quem a gente gosta. E Copacabana tem seus charmes, mas não é assim uma Brastemp. rs E entra ano sai ano, a gente continua a escrever nos blogs.

Bjão!

Postar um comentário