A inteligência de Cristo

2 de mar de 2010


Gente, eu sei que estou em débito com vocês. A faculdade e o trabalho demandam todas as minhas energias e inspirações mas, prometo continuar o estudo comportamental dos "apaixonados" huhuh. Me aguardem...

Para esse blog não morrer seco, sem nenhuma atualizaçao, deixo essa pequeno apanhado que fiz usando como base o livro "A inteligencia de Cristo" de Augusto Cury.
Criticas reflexivas são muito bem vindas.


Milhões de pessoas conseguem definir as paticulas dos átomos que nunca viram, mas não conseguem compreender que a cor da pele negra ou branca, tão percepitível aos olhos, não serve de parâmetro para distinguir duas pessoas das mesma espécie que possuem o mesmo espetáculo da construção de pensamentos. Somos, a cada geração uma espécie mais feliz, humanista, solidária, complacente, tolerante e menos doente psiquicamente? Infelizmente não!
Todos nós passamos por determinadas angústias e ansiedades, pois algumas das mazelas da vida são imprevisíveis e nevitáveis.
Na escola da existência mais conhecida como vida aprende-se que se adquire experiências não só apenas com os acertos e as conquistas, mas muitas vezes, com as derrotas, as perdas e o caos emocional e social, e é exatamente nessa sinuosa escola que eu quero estudar.

A inteligência de Cristo abre preciosas janelas que promovem o desenvolvimento da cidadania e da cooperação social. Ela também é capaz de expandir a qualidade de vida, superar a solidão e enriquecer as relacões sociais. Na sociedade moderna o ser humano vive ilhado dentro de si mesmo, envolvido num mar de solidão.
A Solidão é drástica, insidiosa e silenciosa. Falamos eloqüentemente do mundo em que estamos , mas não sambemos falar do mundo que somos, de nós mesmos, dos nossos sonhos, dos nossos projetos mais íntimos. Não sabemos discorrer sobre nossas fragilidades, nossas inseguranças, nossas experiências fundamentais.


Share/Bookmark

3 comentários:

Poemas e Cotidiano disse... Responder

Lindo texto!
Realmente eh dificil discorrer sobre nossas insegurancas e fragilidades. Estamos sempre a mostrar o lado da forca. Por que serah?
Muito lindo e profundo esse texto!
Beijos carinhosos
MARY

Dil Santos disse... Responder

Oi Dayne, tudo bem?
São ótimos os livros de Agusto Cury, esse por exemplo, é um dos mais vendidos e procurados dele. Falo isso por trabalhar numa livraria, daí já viu né? rs
Então menina, a mídia cultua cada vez mais um padrão de magreza, de beleza que muitos querem seguir, mas não consegue, acabam se perdendo no caminho, rs.
Abraços
:)

salgados disse... Responder

Oi!

Deixei um Big 'LOOK' para você, lá no meu blogue, viu?!

Postar um comentário