A pessoa perfeita

08/06/2011

"Amar é o exercício de descobrir o que o outro tem de mais lindo, mas também de mais vergonhoso. Amores perfeitos só existem nas projeções. Ou nos Jardins... " - Fábio de Melo

O amor perfeito é sempre o amor impossível, inacessível, o amor que não corresponde à realidade tipo Sherek e Fiona, sabe?
Infelizmente, o mito do amor romântico é fortalecido pela nossa cultura através da própria literatura onde o ser humano possui o desejo de encontrar no seu mundo exterior a solução para suas imperfeições.
É quase uma camuflagem. Buscamos encontrar a cura para nossas precariedades, passamos a buscar nas coisas, nas pessoas e nas situações o remédio que curaria nossas incompletudes.

A verdade é que não somos perfeitos, mas queremos a todo tempo realidades perfeitas. Oi?
O próprio conceito de perfeição, que vem do grego, alude o fim de um projeto de arte, portanto o conceito de perfeição não pode ser atribuído a nós, meros seres humanos num interminável processo de construção.
O poder do mito move essa procura por pessoas perfeitas que venham suprir nossas imperfeições. Inconscientes ou não vivemos uma busca desonesta e mesquinha de pessoas que correspondam às expectativas de nossas projeções e idealizações.

O mito nos retira do contato com a realidade. A partir dele, passamos a procurar as realidades ideais, a pessoa ideal pra casar, o lugar ideal pra morar, o lugar ideal pra trabalhar, estilo comercial de margarina.

Minha gente, o conceito da palavra ideal se resume em “tudo aquilo que compõe o objeto de nossa mais alta aspiração”, ou seja, ideal só existe na idéia.
O ideal pode ser muito benéfico, pois nos movimenta evitando assim sua estagnação, mas ao mesmo tempo pode ser altamente nocivo quando nos impossibilita de enxergar a vida real. “Viver de projeções que não podem ser adequadas a realidade é o mesmo que não viver” essa doeu.
Fábio de Melo disse uma vez: Não existe a pessoa “ideal” existe a pessoa “certa”. A pessoa certa é cheia de defeitos e qualidades, mas a somatória de tudo resulta uma realidade pela qual o outro se apaixona. E é, essa verdade que favorece o surgimento do amor maduro sem idealizações. Lindo né?

Uma coisa é certa, nós sabemos quem somos, enquanto o outro, imagina o que somos. Cabe a nós permitir que essa imaginação seja autêntica ou equivocada. 

 
 À luz do livro "Quem me roubou de mim" - Fábio de Melo



Share/Bookmark

8 comentários:

Li disse... Responder

Arrasou Day!

Renan Barreto disse... Responder

Day, pessoas perfeitas não existem na realidade porque o conceito de perfeição só é possível de ser visto no mundo das ideias. E olha, existem tantas ideias que gostaria que não fossem só ideias, que fosse algo diferente do Shrek. Mas c'est la vie. Algumas coisas a gente tem que mostrar pra ela que são possíveis. Vamos dizer que não existe pessoa ideal e sim a certa, que te completa como feijão e arroz, que te ensina sobre o céu, a água e o ar. Enfim, que explica que não existe razão pras coisas feitas pelo coração. É isso... Prefiro ser o Eduardo ao Shrek.

Bjs

Suzana disse... Responder

Uau!!! Um tapa na cara! Realmente essa é a mais pura e límpida verdade sobre o amor.... Lindo!

weslleywf disse... Responder

Parabens Dayane, adoro seu blog, sempre que busco ao para ler venho nele e me sinto bem ao ler seus textos e tambem me inspirar a ler e escrever mais.
Meus parabens novamente e continue escrevendo.

satire and theology disse... Responder

Hello Dayane,

Happy weekend to you and family.:)

I used Yahoo to translate this into English.

'Unhappily, the myth of the romantic love is fortified by our culture through proper literature where the human being possess the desire to find in its exterior world the solution for its imperfections. It is almost a camouflage. We search to find the cure for our precariousness, start to search in the things, the people and the situations the remedy that would cure our incompleteness. The truth is that we are not perfect, but wants the all time perfect realities.'

Good points.

Over the years more and more I reason God in Christ is guiding me to see potential romantic love through a greater Biblical perspective although still in biological realities. A key is to follow God's will in the process.

As far as green movie characters are concerned I prefer Green Lantern although I would have picked a non-comic actor, but that is just me.

Russ;)

O Guri disse... Responder

Eu resenhei esse livro la no meu caffofo. Dá uma olhada e me diz o que achou;)

Ele é muito inteligente, né?

O Guri disse... Responder

Viu, você não vai voltar mais aqui?

Eu gosto de você,,,

Bejo na bunda!

Anônimo disse... Responder
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

Postar um comentário